30.8.10

Ezln



"Nosotros nacimos de la noche
en ella vivimos
y moriremos en ella
pero la luz será mañana para los más,
para todos aquellos que hoy lloran la noche,
para quienes se niega el día.
Para todos la luz,
para todos todo.
Nuestra lucha es por hacernos escuchar y el mal gobierno
grita soberbia y tapa con cañones sus oídos,
nuestra lucha es por un trabajo justo y digno y el mal gobierno compra y vende cuerpos y vergüenza,
nuestra lucha es por la vida y el mal gobierno oferta muerte como futuro,
nuestra lucha es por la justicia y el mal gobierno se llena de criminales y asesinos,
nuestra lucha es por la paz y el mal gobierno anuncia guerra y destrucción.
Techo, tierra, trabajo, pan, salud, educación, independencia, democracia, libertad,
estas fueran nuestras demandas en la larga noche de los 500 años,
estas son hoy nuestras exigencias."


Trecho do Manifesto Zapatista gravado na música:
Ezln...para todos todo... - Manu Chao

6.6.10

The Invitation

It doesn’t interest me
what you do for a living.
I want to know
what you ache for
and if you dare to dream
of meeting your heart’s longing.


It doesn’t interest me
how old you are.
I want to know
if you will risk
looking like a fool
for love
for your dream
for the adventure of being alive.


It doesn’t interest me
what planets are
squaring your moon...
I want to know
if you have touched
the centre of your own sorrow
if you have been opened
by life’s betrayals
or have become shrivelled and closed
from fear of further pain.


I want to know
if you can sit with pain
mine or your own
without moving to hide it
or fade it
or fix it.


I want to know
if you can be with joy
mine or your own
if you can dance with wildness
and let the ecstasy fill you
to the tips of your fingers and toes
without cautioning us
to be careful
to be realistic
to remember the limitations
of being human.


It doesn’t interest me
if the story you are telling me
is true.
I want to know if you can
disappoint another
to be true to yourself.
If you can bear
the accusation of betrayal
and not betray your own soul.
If you can be faithless
and therefore trustworthy.


I want to know if you can see Beauty
even when it is not pretty
every day.
And if you can source your own life
from its presence.


I want to know
if you can live with failure
yours and mine
and still stand at the edge of the lake
and shout to the silver of the full moon,
“Yes.”


It doesn’t interest me
to know where you live
or how much money you have.
I want to know if you can get up
after the night of grief and despair
weary and bruised to the bone
and do what needs to be done
to feed the children.


It doesn’t interest me
who you know
or how you came to be here.
I want to know if you will stand
in the centre of the fire
with me
and not shrink back.


It doesn’t interest me
where or what or with whom
you have studied.
I want to know
what sustains you
from the inside
when all else falls away.


I want to know
if you can be alone
with yourself
and if you truly like
the company you keep
in the empty moments
.



By Oriah © Mountain Dreaming,
from the book The Invitation
published by HarperONE, San Francisco,
1999

19.5.10

Oli

O norte
A brasa
A ponte
Inteiro e condensado.

Corda do centro
Canção do meio dia.


(Desenho meu do meu irmão. Escola Waldorf, 1998)

24.3.10

... sobra ar.



Não me apontas, prepotência. Não me apontas, preguiça. Não me apontas, ausência!


Sou metade e daí?
E daí que não me sou... e o que lembro de mim?!


Vens, vens doer se for verdade! Rasga a fantasia, me desperta.

21.1.10

Minha raiva subtamente amaciou e virou uma parede de pudor
e estranhamento...

11.1.10

Conhecimento

Conhecimento é a apropriação das experiências e estímulo de luz para a criação e evolução. E através de um processo orgânico e analítico muito particular de cada um, criamos em nosso banco de dados o local onde a informação será guardada. E esse local define a qualidade e o contexto com que vêmos e reconhecemos o mundo. A partir disso, executamos nossas escolhas e definimos nosso crescimento.


A saudade não é um abismo que te desintegra. Mas pelo contrário é o que te faz ficar lúcido e inteiro e inteiro de novo.


A impecabilidade é relativa. Às vezes é preciso ser rápido e silencioso e, às vezes ruidoso e lento.


SP, 30/04/07

Timidez

A timidez só é benéfica quando age em prol de ponderar ações.
Mas não tem charme algum quando não trabalha junto com as intenções puras de espírito. Influenciada pelo poder do ego, a timidez sabota a compreensão sensora trazendo ruídos à mensagem que chega ao receptor. E normalmente o "bloqueio" acontece antes mesmo que o receptor crie significado.

SP, 29/04/07

9.1.10

Juana Molina

"What inspires me the most is the radom behavior in the nature que un pájaro tiene un modo de cantar con sus notas que le son própias y esas notas nunca suenan con el misma orden. Entonces ese modo tan aleatório hace que haga todo el tiempo como una cosa de un estado expectante que uno no sabe que va pasar exactamente... pero pasa."  Juana Molina.



8.1.10

Portas

Quero liberar o que não controlo.
Aquilo que o espírito não entende, o corpo berra!


Paixão é como a abstinência tóxica: te rasga calado.


Você me abre certas portas que criam.
Não quero nunca deixar de ter dúvidas a seu respeito.


Deixo o momento entrar com calma porque sei que ele também me espera.


SP, 27/04/07

As verdades dos 17

Por muito tempo namorei a eternidade como se fosse a minha única certeza, a única resposta. Depois quando percebi que não a possuía, virou obsessão. Minha vida virou uma grande pergunta. E procurava e procurava a resposta que me tornasse inteira. Às vezes sentia essa pausa da existência que é a solidão.

Quando me deparei com a instabilidade de ser de tudo, esperei o fim. E fiquei sentada olhando, vencida, a vida que me desafiara. Depois matei meu idealismo.

E como se tudo o que eu vivesse não existisse, fosse só sonho.
E dormir seria a certeza de viver.
Mas dormi na mentira e esqueci que há autenticidade fora do universo inconsciente.


POA, 18/05/03
Um sopro, um suspiro pesado e antigo.
Um sapato tão frio jogado no telhado.
Um rosto familar e misterioso.
Um sorriso melancólico e mórbido.


Antigas pisadas, agora velhas e apagadas. Ah como isso é bom! - não estou sozinha, mesmo perdida sem minhas pisadas que contornavam meu passado - à casa chego, enfim segura. É uma casa nova, mas é a minha casa.


Se me sinto só e não encontro minha identidade, faço-me lembrar de vozes que se fortalecem dentro de mim. Começo a me lembrar de momentos simples do passado. Deles me nutro, alimento minha alma desamparada, mas não esqueço de respirar o presente. Às vezes esqueço e entro na frustração de que não é aqui que quero estar. Quero me embrulhar no passado sem mágoas, mas ele também me sufoca.
Páro, vejo onde estou. Não estou muito longe da realidade, ando ao lado dela.


Porto Alegre, 24/04/04
Você se permite à exposição do esquecimento?

Abriria mão de todo o conhecimento adquirido?


Você desacelaria a poucos instantes de concluir um sonho?

Você desacelaria estando na crista da explosão criativa, se lhe parecesse certo?

Você pararia um sonho?


26/04/07